8 formas de tornar as vacinas menos dolorosas para as crianças | Pequenada
Início
>
Saúde & Crescimento
>
8 formas de tornar as vacinas menos dolorosas para as crianças

8 formas de tornar as vacinas menos dolorosas para as crianças

8 formas de tornar as vacinas menos dolorosas para as crianças
Crédito da Imagem: 1

Quem tem filhos pequenos sabe que se há momento doloroso, tanto para a pequenada como para os próprios pais, é aquele em que temos de os levar às vacinas. O tempo de espera, o ambiente médico e a ansiedade da “pica” podem tornar uma simples vacina num verdadeiro inferno. No entanto, e apesar de os especialistas em psicologia infantil referirem que tudo isto é normal, existem alguns pequenos truques para que, na hora da vacina, as crianças estejam confortáveis e tranquilas. Quer saber como?

1. Desmistifique o ambiente médico

Há pais que, sem se aperceberem, fazem dos médicos um verdadeiro “bicho papão”. Ameaças como “se não te portas bem, vais ao doutor” apenas contribuem para aumentar o receio da criança quanto a tudo o que se relacione com os profissionais de saúde. O ideal é que, em casa, se fale normalmente de médicos, hospitais e vacinas, sem lhes imputar qualquer tipo de carga negativa. Uma boa ideia: deixar as crianças acompanhar os pais num qualquer ato médico em que a sua presença seja permitida, de forma a desmistificar as consultas médicas e a velha imagem daquela pessoa assustadora de “bata branca”. Pais descontraídos são sinónimo de filhos descontraídos.

2. Antecipe, mas não torture

É saudável que as crianças percebam que a vacinação é importante e que faz parte das suas vidas, em ciclos mais ou menos frequentes. Por isso, convém que os pais avisem os seus filhos das alturas em que têm de ser vacinados. Por exemplo, na aproximação do décimo aniversário da criança, convém que ela seja subtilmente informada de que também se aproxima a vacina dos 10 anos. Mas não esteja permanentemente a falar disso, de forma a não criar uma ansiedade negativa. Avise, mas não reforce uma contagem decrescente que mais soará ao bater dos sinos para a sala da tortura onde espera a tão temida “pica”.

3. Conte a sua história (ou adapte-a, se necessário)

É sabido que, na maior parte dos casos, os pais são os grandes exemplos dos filhos. Por isso, e sempre que possível, fale da sua própria história para aliviar a tensão dos mais novos – conte-lhes que, em criança, também se deixava invadir pelos nervos antes das vacinas mas depois percebeu que, afinal, a vacinação não é tão dolorosa e complicada quanto parecia. Bom, e se isto não corresponder propriamente à verdade, mantenha esta versão. Este é um daqueles raros casos em que não é feio mentir às crianças!

4. Garanta um dia “zen” na véspera da vacina

No dia anterior à vacinação, convém que a criança seja informada sobre o que vai acontecer no dia seguinte e que os pais a ajudem a entender que o processo é simples e que todas as crianças passam por ele. É importante que a criança passe um dia calmo, para que no dia seguinte ela amanheça o mais tranquila possível. Por isso, procure fazer atividades mais caseiras e relaxantes, dando-lhe o máximo carinho e apoio necessário. Chegado então o dia da vacina há que garantir mais uma série de truques que podem ajudar a criança a passar por uma vacinação mais tranquila.

5. Prepare um pequeno-almoço calmante

Porque não começar o dia com um momento especial? É sabido que, por mais tranquila que a criança seja, a aproximação da toma da vacina lhe vai criar alguma inquietação e ansiedade natural. Por isso, aproveite o melhor dos dois mundos e organize um pequeno-almoço especial com alimentos que estimulam naturalmente a tranquilidade – como chá, laranjas e frutos vermelhos… e porque não as suas bolachas preferidas?!

6. Não descure a informação

Mesmo que se trate de uma criança, converse com ela e explique-lhe o que se vai passar no momento da vacinação: desde a chegada ao posto médico, ao registo, à espera e depois à vacina, reforçando sempre que vai ser simples e que a criança não sentirá mais do que uma pequena picada. Não desvalorize o entendimento dos mais novos, nem pense que é melhor esconder do que informar.

7. Leve o “melhor amigo”

O seu filho tem um peluche inseparável ou um livro preferido? Se sim, leve-o convosco e deixe-o brincar com o seu “melhor amigo” enquanto esperam pelo momento da vacina. O objetivo é apenas um: entreter a criança com algo de que ela goste, que a faça sentir segura e confortável… o que vai ajudar que o tempo passe mais depressa e sem enfoque na típica ansiedade.

8. E, se for preciso, leve uma pequena ajuda

Já existem muitos centros de saúde que, antes de darem a vacina, aplicam um analgésico local na criança. Caso não exista esta prática no posto médico onde vai, e se perceber que a criança ficará mais calma com este medicamento, sugere-se que compre um na farmácia mais próxima e depois fale com a enfermeira antes da vacina. Não existem efeitos secundários – a não ser a diminuição da dor, do medo e dos possíveis choros!

Classifique o artigo