14 alimentos que as crianças não devem comer | Pequenada
Início
>
Alimentação
>
14 alimentos que as crianças não devem comer

14 alimentos que as crianças não devem comer

14 alimentos que as crianças não devem comer
Crédito da Imagem: 1

Há muito que se debate a importância da alimentação no crescimento e desenvolvimento saudável de uma criança e, se por um lado nunca tivemos tanta oferta alimentar saudável, por outro lado, também nunca tivemos tanta oferta alimentar processada. Nesse sentido, reunimos uma lista de alimentos que as crianças não devem comer, mas atenção: o consumo destes alimentos não será grave se for feito esporadicamente e os seus malefícios podem ser muito reduzidos com uma confeção caseira mais cuidada. Obviamente, os cuidados devem ser tanto maiores quanto menor for a idade da criança.

Guloseimas à base de açúcar 

Gomas, rebuçados, caramelos, chupa-chupas, etc. são alimentos com um teor saudável inexistente. O seu consumo pode provocar, a curto prazo, obesidade e cáries dentárias mas se o consumo persistir, na idade adulta podem estar na base de outras doenças graves, como diabetes, por exemplo. Estes são apenas alguns dos muitos e bons motivos para controlar o açúcar na alimentação das crianças!

Mel

Nos anos iniciais de vida das crianças, particularmente no primeiro ano, não se deve incluir o mel na alimentação do bebé porque pode conter esporos de uma bactéria que provoca botulismo (Clostridium Botulinum). Este é um alimento que deve ser servido às crianças com conta, peso e medida.

Oleaginosas

Para além de possuírem uma elevada quantidade de gordura e um fungo (aflatoxina) que pode causar danos no fígado, as castanhas, amendoins, nozes, avelãs e outras oleaginosas acarretam ainda o risco de engasgamento nas crianças mais pequenas, pelo que o seu consumo deve ser evitado até aos três anos de idade.

Marisco

O consumo de marisco deve ser vedado às crianças, principalmente nos primeiros anos de vida. Para além do elevado risco de alergias, o marisco é muito sensível à poluição das águas, podendo transportar toxinas perigosas para quem o consome.

Maionese

Para além da sua composição envolver uma percentagem muito elevada de gorduras, o valor nutricional da maionese é praticamente nulo. Acresce ainda que o seu processamento industrial e os riscos de má conservação podem provocar distúrbios intestinais ou formação de reações alérgicas nas crianças.

Peixe com espinhas

De forma mais vincada nos primeiros anos de vida das crianças, deve retirar-se todas as espinhas aos peixes, devido ao risco muito acentuado de engasgo ou de ferimentos na garganta.

Salsichas

Este é mais um produto processado industrialmente, fabricado com carnes com muitas gorduras e muitos conservantes, que não acrescenta nenhum valor nutricional à dieta alimentar de uma criança em crescimento.

Charcutaria

Os chouriços e outros produtos defumados industrialmente padecem dos mesmos problemas indicados no caso das salsichas. São produtos que devem ser evitados nas idades tenras da infância. 

Salgadinhos industriais

Tal como as viciantes batatas fritas de pacote, o excesso de sal é o maior problema dos salgadinhos processados industrialmente – o seu excesso pode provocar, logo na infância, um aumento da tensão arterial e sobrecarga dos rins, o que pode dar origem a problemas graves mais tarde. Para além disso, estes alimentos incluem conservantes que podem ser perigosos para a saúde infantil.

Pizza

A inclusão de pizza, nomeadamente as pizzas congeladas (que contêm um elevado teor de gordura), na dieta alimentar da criança depende da idade: nos primeiros três anos é desaconselhado; a partir daí, quanto mais tarde melhor. Em alternativa, leve a pequenada para a cozinha e façam vocês mesmos uma receita de pizza mais saudável!

Hambúrgueres

Hambúrgueres congelados ou provenientes de restaurantes especializados em refeições rápidas não devem fazer parte da refeição de uma criança. Tal como todos os alimentos de carne processada industrialmente, também os hambúrgueres acabam por receber a adição de molhos muito condimentados e grandes quantidades de gorduras que são prejudiciais para a saúde infantil. Porque não experimentar uma receita de hambúrguer mais salutar como uns inesperados hambúrgueres de cornflakes ou os súper saudáveis hambúrgueres de peru?

Batatas fritas de pacote

De processamento industrial e com uma elevada quantidade de sal, este snack salgado e pouco saudável tem ainda um elevado índice de gorduras. Os danos que podem provocar no sistema cardiovascular podem ser grandes, podendo ainda contribuir para problemas de pele ou para a obesidade infantil.

Refrigerantes

Para qualquer pessoa em geral, e para as crianças em particular, este é um exemplo típico de um produto alimentar absolutamente dispensável da dieta dos mais pequenos. As suas doses de açúcar são muito elevadas, podendo provocar diversos problemas de saúde como, por exemplo, obesidade e cáries dentárias. O consumo de água deve ser um hábito a incutir no quotidiano das crianças desde cedo.

Produtos com cafeína

Café e outros produtos com cafeína, como chá preto ou refrigerantes de cola nunca devem ser consumidos por crianças. A cafeína é um composto químico alcaloide que ataca o sistema nervoso central e pode provocar outros danos, nomeadamente ao nível do aparelho digestivo, aumentando a produção de suco gástrico.  Nas crianças, o consumo de cafeína pode causar dores de cabeça, agitação, insónia, défice de atenção, agitação e aumento do ritmo cardíaco.

Classifique o artigo